Arquivo mensal: Junho 2018

Relatório Prova de Aferição HGP – IAVE

HGP_RelatorioIAVE_PA_2016-2017

Após uma breve leitura dos resultados da prova de Aferição e de HGP existem dois aspetos ligados ao ensino-aprendizagem da Geografia que sobressaem e nos devem preocupar:

A. É fundamental distinguir localização e localizar. Em Geografia localização é um conceito  (que até pode ser memorizado, como é caso de Portugal no contexto da Europa se situar no extremo sudoeste) e localizar é procedimento metodológico (que implica saber determinar a posição relativa ou exata de um país ou outro elemento num determinado espaço, usando um sistema de coordenadas ou a rosa-dos-ventos). Acredito que a grande maioria dos alunos sabe onde está Portugal num mapa da Europa (talvez até desde o pré-escolar) mas tem dificuldade em localizar Portugal, num mapa, em relação a outro país pois nem sempre a mobilização deste procedimento metodológico (aplicado com outros contextos espaciais, mais próximos da realidade do aluno e adaptados à sua idade, como a posição dos alunos dentro de uma sala de aula ou os vários espaços da escola/casa), é treinado com os alunos antes do 7º ano de escolaridade.

B. É necessário um maior investimento nos conteúdos e metodologias relacionados com a lateralidade e a espacialidade (1º Ciclo);

C. É imprescindível desenvolver competências de interpretação de mapas com a distribuição de fenómenos geográficos (mas também históricos,…) (2º Ciclo).

Trabalhar com mapas é essencial. E atualmente é muito fácil disponibilizar mapas de localização. Bom seria também que em cada sala de aula estivesse um computador e um projector para que, a qualquer momento, e sempre que é preciso, localizar um acontecimento histórico ou um fenómeno geográfico o professor ilustrasse com o Google Earth ou o Open Street Map, por exemplo ….Também pedir aos alunos para pintar mapas é um excelente exercício…e trabalho colaborativo entre os professores de Geografia e os professores de História nesta disciplina de História e Geografia de Portugal.

A propósito da implementação do projeto da Flexibilização Curricular

Face a dúvidas que nos têm sido colocadas nas escolas que estão na Flexibilização Curricular sobre a carga horária da Geografia a Associação de Professores de Geografia esclarece a sua posição.

O professor de Geografia tem de ter no seu horário, quer as horas em que leciona a disciplina isoladamente quer em flexibilização, através de projeto, com outras disciplinas, devendo escolher as competências (conceitos e metodologias) mais adequadas ao trabalho disciplinar e as que se podem desenvolver melhor em contexto de projeto.

Parte dessas horas pode ser depois lecionada em projeto e em conjunto com outras disciplinas, no caso da flexibilização curricular.

A flexibilização curricular nunca deve implicar, em nosso entender, flexibilização do horário letivo do professor mas sim flexibilização na forma como as competências enunciadas nas aprendizagens essenciais são desenvolvidas. Implica também que o professor de Geografia esteja envolvido no(s) projetos que a escola decidiu que iriam preencher os 25% e que devem ser sempre multidisciplinares.

Mais uma vez reafirmamos:  A flexibilização curricular, em nosso entender, não é para tirar horas a umas disciplinas e dar a outras, ao arbítrio de cada escola.

A Direção