(Re)afirmar a posição da APG face ao DL 55/2018

Cara(o) Colega,

A Geografia desenvolve-se ao longo da escolaridade obrigatória através da aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitudes, no sentido do desenvolvimento de competências que permitam às crianças e aos jovens uma consciência de pertença a um território, a par da promoção de uma cidadania ativa e de uma cultura para o ambiente e desenvolvimento sustentável, para a cooperação e a interculturalidade, que lhes permita intervir criticamente no ordenamento do território e ter um olhar atento no que diz respeito ao bem-estar dos povos e das nações.

Após a publicação do decreto-lei n.º 55/2018, de 6 de julho, reafirmamos a posição da Associação de Professores de Geografia nesta fase de reflexão e organização do próximo ano letivo.

  • As Aprendizagens Essenciais (AE) constituem orientação curricular de base, para efeitos de planificação, realização e avaliação do ensino e da aprendizagem, em cada ano de escolaridade (artigo 17.º).
  • A distribuição da carga horária semanal da disciplina de Geografia não pode ser inferior a 8 tempos (sejam eles de 45 ou 50 minutos) no conjunto dos três anos do 3º ciclo do ensino básico, para dar cumprimento às AE emanadas pela tutela.

As AE da disciplina de Geografia e as competências dos alunos a desenvolver ao longo da escolaridade obrigatória (ver PASEO) só podem ser concretizadas dignamente, de acordo com os princípios da didática específica da disciplina, com o número de tempos necessários para dar cumprimento ao desenvolvimento das competências específicas da disciplina, e limitando o número de turmas a atribuir a cada professor para um desempenho digno da profissão.

  • Reafirmamos a nossa objeção, tal como já fizemos no ano anterior, a que a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento possa ser lecionada por outros docentes fora do Departamento de Ciências Sociais e Humanas, contrariando a matriz definida pelo próprio Ministério da Educação para o 3.º ciclo (Anexo III do referido decreto). No contexto deste decreto, caso tal não aconteça, os minutos da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento devem ser elencados ao crédito de minutos de cada escola e não retirados às Ciências Sociais.

Assim sendo, consideramos que a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento deve ser lecionada por docentes de Geografia, uma vez que estes têm uma visão de charneira entre as Ciências Naturais e as Ciências Sociais e por se encontrarem preparados para trabalhar as temáticas relacionadas com o futuro do nosso planeta, em termos sociais e ambientais, procurando soluções que contribuam para um desenvolvimento sustentável, inclusivo e para uma cidadania ativa, tal como se encontra previsto na Estratégia Nacional para a Educação da Cidadania e Desenvolvimento.

  1. A gestão do currículo, a planificação e a prática letiva da disciplina de História e Geografia de Portugal (HGP), do 2.º ciclo do ensino básico, deve ser concretizada de forma conjunta, com professores das duas áreas do saber (Geografia e História), minimizando desta forma situações de formação deficitária do conhecimento geográfico de Portugal, do seu território, dos seus recursos naturais e humanos e suas inter-relações; assegurando a importância da matriz territorial como componente fundamental do currículo nacional do 2.º ciclo.

A identidade e a cultura alicerçam-se na diversidade da matriz territorial, quer esta seja natural, social, económica ou tecnológica. Um povo que não conheça e não estime o seu território, que é parte integrante da sua cultura e vida quotidiana, terá grande dificuldade em entender a importância da sua gestão planeada e ordenada e de nele intervir de forma cidadã.

 

A Educação Geográfica deve ser uma componente fundamental do currículo nacional. A Geografia é a ciência e a disciplina que se distingue e caracteriza pelo pensamento espacial, que pode ser definido como o conjunto de competências que compreende o conhecimento dos conceitos relacionados com o território, a utilização de ferramentas de representação dos fenómenos geográficos e o conjunto de processos explicativos das suas interações, numa visão multiescalar, alicerçada em destrezas de investigação e de resolução de problemas.

Num espaço geográfico que cada vez mais se contrai, em que fenómenos ambientais, populacionais, sociais, culturais, entre outros, têm causas e consequências multifacetadas que ultrapassam as fronteiras, é fundamental desenvolver uma educação geográfica que problematiza, questiona e procura equacionar cenários e inventariar soluções para as complexas situações que ocorrem no Mundo, desde as catástrofes naturais aos contrastes no desenvolvimento, passando pelas alterações climáticas, as migrações, o envelhecimento demográfico, a composição multipolar do sistema-Mundo, só para citar alguns dos temas constantes dos programas da disciplina de Geografia.

O ritmo de desenvolvimento das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) aplicadas ao território tem contribuído para transformar o acesso à informação geográfica e divulgar os procedimentos do pensamento espacial. A utilização das ferramentas Tecnologias de Informação Geográfica (TIG) é fundamental para a aprendizagem dos padrões de distribuição de diferentes fenómenos naturais e humanos. A disciplina de Geografia tem sido responsável pela introdução destes procedimentos no ensino, que são cada vez mais imprescindíveis ao cidadão comum, pelo que o estudo da Terra e das suas formas de representação abrem horizontes para as inovações acima referidas.

Temáticas das Aprendizagem Essenciais de Geografia como, Globalização, alterações climáticas, sismos, inundações e tempestades, migrações, disparidades e conflitos sobre os recursos, entre outros, moldam muito dos aspetos das nossas vidas e das sociedades no planeta Terra. Lidar com estes temas complexos, exige um saber científico ancorado em competências-chave, tais como a capacidade de delinear estratégias de as aplicar e de as avaliar, a resiliência face às dificuldades de resolução de problemas no imediato, tendo sempre presentes valores humanistas de compreensão de si e dos outros e da importância de uma postura de cidadania ativa, que se vão alicerçando, numa aprendizagem quotidiana e ao longo da nossa vida, através de ações tão simples, como, por exemplo, sensibilizar a comunidade educativa para a necessidade de cuidarmos corretamente do nosso território.

 

18 de julho de 2018

A Direção da APG

 

Parecer sobre a Prova de Exame Nacional da disciplina de Geografia A – 1ª Fase

A prova de Geografia A realizada no passado dia 21 de julho de 2018, tem conteúdos relacionados com o estudo de Geografia de Portugal, conforme programa homologado pelo Ministério da Educação, pelo que merecem a nossa apreciação positiva.

Para a elaboração deste documento contámos com a colaboração e olhar atento dos professores de Geografia, classificadores e associados que nos fazem chegar as respetivas apreciações.

A prova, embora globalmente acessível, apresenta alguns itens de seleção (escolha múltipla) e construção (resposta aberta), que exigem elevada concentração na interpretação do enunciado e das respetivas opções de resposta, no caso particular dos itens da primeira tipologia, e de um uso proficiente da língua portuguesa (o que merece a nossa concordância). Considera-se, ainda, que a prova não coloca problemas de correção científica, é representativa dos conteúdos constantes dos documentos orientadores da disciplina. Por sua vez,  os critérios de classificação colocam alguns problemas  de interpretação aos professores classificadores, como mais adiante se especificará.

Informação prova

O documento  Informação prova divulgado era vago e omisso nalguns aspetos inerentes à Caracterização da Prova – observa-se, a este prepósito, a ausência de uma referência em relação à estrutura da prova, à inclusão de novas tipologias de itens e à cotação (pontos) respetiva a atribuir. Com efeito, considera-se que esta deveria ter alertados os intervenientes para eventuais alterações face às edições anteriores e/ou que tivesse havido divulgação de uma segunda Informação prova alertando, para as mudanças registadas em relação à estrutura, à tipologia e ao valor dos itens (quer de seleção quer de construção).

O facto de ser um exame Nacional, não pode e não deve inibir a tutela de enunciar as alterações formais nas provas. Os exames devem ser inéditos na formulação de itens de exploração dos conteúdos programáticos, mas não no que diz respeito à estrutura de distribuição dos itens e ao peso (cotação) associado a cada tipologia.

Itens

A redação dos itens da prova apresenta um grau de dificuldade mais acessível do que nas provas do ano letivo anterior, pela linguagem técnica/vocabulário adequada e de fácil entendimento para a generalidade dos alunos.

A seleção dos temas é equilibrada entre o 10º e 11º anos, integra uma amostra significativa do Programa, pois quer a escolha de alguns dos conteúdos específicos a testar quer a formulação de vários itens, constituem uma amostra significativa de objetivos e temas do mesmo, abrangendo não só Portugal continental como também Regiões Autónomas. Considera-se assim que os conteúdos abordados, revestidos de atualidade e pertinência e que carecem de reflexão pela sociedade em geral (incêndios florestais, gentrificação, plataformas digitais, entre outros), foram repartidos de forma similar entre os dois anos de escolaridade.

Congratula-se a existência de itens que implicam a mobilização de competências nas áreas do raciocínio e do pensamento crítico, em detrimento de itens que sobrevalorizem a memorização, a par da articulação efetuada entre conteúdos dos diferentes temas dentro dos grupos de itens, pois a Geografia é uma ciência de interrelação, multiescalar e não focada em conteúdos estanques e, ainda, o estímulo a práticas pedagógicas centradas na resolução de problemas.

Saúda-se a inclusão, através de exemplos, do estudo de caso, que faz parte do Programa de Geografia A. Contudo, é de registar que os dois itens que implicavam uma resposta relativamente extensa (7. e 14.) encontram-se centrados na perspetiva da figura do autarca. Considera-se uma redundância a insistência nessa perspetiva, quando haveria outras possíveis, como por exemplo, a  de um técnico de planeamento, de um geógrafo, entre outros.

Peças gráficas e cartográficas

As peças gráficas e cartográficas introdutórias são, na generalidade, diversificadas e de boa qualidade gráfica, assentam em fontes documentais credíveis propiciando a aplicação das destrezas gráficas e cartográficas exigíveis a alunos de Geografia do 11º ano de escolaridade.

Tempo disponível para a realização da prova

O tempo disponível para a sua resolução é suficiente, pese embora uma divulgação prévia da alteração de estrutura da prova pudesse, eventualmente, ser favorável a alunos que apresentam dificuldades em termos de gestão de tempo.

 

Critérios de Classificação (CC)

O documento Critérios de Classificação  carece de mais cuidado em futuras edições desta prova e merecem o nosso desacordo em alguns aspetos:

Cotação/Valoração

  1. Na página 2 pode ler-se “Nos itens de resposta curta,  são atribuídas pontuações às respostas total ou parcialmente corretas, de acordo com os critérios específicos.” (1ª Fase). Considera-se que a redação desta orientação gerou a expetativa nos professores classificadores e examinados de que nos itens de resposta curta também havia níveis de desempenho e, consequentemente, respetiva valoração de respostas parcialmente corretas e/ou incompletas, quando, segundo os CC, apenas foi atribuída a cotação de 6 pontos e não estão contemplados os parcialmente corretos.
  2. Em futuras edições desta prova de exame, recomenda-se que seja clarificado à priori o que se entende por resposta curta e restrita bem como a cotação a atribuir em função do tipo de resposta que é suposto o aluno produzir. Em alternativa, pode ser registado,  por exemplo, quando nos itens de resposta curta e restrita são exigidos dois ou mais elementos/aspetos, estejam contemplados níveis desempenho e atribuída valoração respetiva.

Estas sugestões teriam evitado todo o ruído que ocorreu em torno da sugestão de atribuição de uma classificação intermédia, na correção dos itens 6., 8.1 e 15.1.

Critérios específicos de e correção

Em relação aos critérios específicos de correção apresentados, reforça-se que os dois itens de resposta extensa (7. e 14.) estão centradas na perspetiva de um indivíduo/entidade em particular, sendo questionável a obrigação do aluno saber as competências/atribuições do autarca. De igual modo, alguns dos tópicos de resposta contemplados são de grau de abrangência e/ou de ambiguidade muito diversa ou, inclusivamente, não integram competência das autarquias, como, por exemplo, no item 7. a “exploração de rochas ornamentais” e a “criação de serviços de carsharing”  opções estas resultantes  de iniciativas privadas e individuais e não das autarquias.

 

O processo de supervisão

De acordo com as informações e contributos que nos foram encaminhados o atual processo de supervisão, correção e classificação das provas de exame, carece de alguma reflexão, pelo facto de:

–          Todos os professores corretores/classificadores poderem opinar sobre as dúvidas dos seus pares, o que introduz imenso ruído e constitui perda de tempo;

–          O acesso e a visualização de dúvidas que outros corretores já colocaram é ineficiente e morosa, o que contribuirá para que alguns corretores/classificadores coloquem dúvidas que já foram apresentadas por outros;

–          Os esclarecimentos do IAVE não terem coberto todas as dúvidas levantadas e os supervisores, ficando, portanto, os corretores/classificadores sem saber se essa opinião tem ou não carácter vinculativo.

 

A disciplina de Geografia A é a quinta no ranking de número de alunos (23474) que  efetuaram a prova de exame nacional, a seguir ao Português, a Matemática A, a Física e Química A e a Biologia e Geologia. Congratula-se todos os intervenientes pelos resultados obtidos, com uma média de 11,6 valores e moda de 11 valores e, ainda, pela diminuição da taxa de reprovação para os alunos internos.

A prova correspondeu assim, em nosso entender, às expectativas da maioria dos alunos -e dos respetivos professores- que se envolveram, ao longo do ano letivo, nas situações de ensino e de aprendizagem da Geografia proporcionadas pelo programa.

 

É de salientar, ainda, que se torna fundamental rever a listagem de noções básicas/conceitos existente no programa de Geografia A, que, em nosso entender, além de excessiva, está desatualizada, no que se refere às políticas europeias, nomeadamente as medidas relativas aos diferentes programas operacionais que se foram sucedendo desde que programa de Geografia A foi homologado.

Lisboa, 18 de julho de 2018

A Presidente da Direção

(Emília Sande Lemos)

Publicação do decreto-lei n.º 55/2018 _ posição da Associação de Professores de Geografia

Cara(o) Colega,

Após a publicação do decreto-lei n.º 55/2018, de 6 de junho, reafirmamos a nossa objeção, tal como já fizemos no ano anterior, a que a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento possa ser lecionada por outros docentes fora do Departamento de Ciências Sociais e Humanas contrariando a matriz definida pelo próprio Ministério da Educação para o 3º ciclo (Anexo III do referido decreto).

Considerando que algumas escolas, se encontram neste momento em fase de reflexão e organização do próximo ano letivo, destacam-se algumas orientações:

I- As Aprendizagens Essenciais (AE) constituem orientação curricular de base, para efeitos de planificação, realização e avaliação do ensino e da aprendizagem, em cada ano de escolaridade (artigo 17.º). No que à avaliação interna diz respeito, é de reforçar que os princípios orientadores da avaliação das aprendizagens concretizadas pelos alunos do ensino básico, encontram-se definidos no despacho normativo n.º 1-F/2016, de 5 de abril. Com efeito, sensibiliza-se para que os critérios de avaliação, assente em perfis de aprendizagem, sejam produzidos à luz das AE.

II- A Geografia, disciplina de charneira entre as Ciências Naturais e as Ciências sociais, presta-se à interdisciplinaridade. Com efeito, é de incentivar e promover o trabalho colaborativo dos professores de Geografia em equipas multidisciplinares, em Geografia, em Cidadania e Desenvolvimento, nos Domínios de Autonomia Curricular (DAC), entre outros.

III- A distribuição da carga horária semanal deve ser dividida de forma equitativa entre a História e a Geografia, no 3º ciclo do ensino básico, conforme parecer conjunto da Associação de Professores de Geografia e da Associação de Professores de História, de  de junho de 2017 (disponível em APG  http://www.aprofgeo.pt/ e em APH http://www.aph.pt/arquivo_destaque.php). Em termos práticos propõe-se: 6 tempos letivos para o 7.º ano, a dividir equitativamente pela História e pela Geografia; 5 tempos letivos para o 8.º ano e 5 tempos letivos para o 9.º ano, a distribuir equitativamente pelas duas disciplinas (2 para a História+3 para a Geografia ou 3 para a História+2 para a Geografia, respetivamente).

Tal como enunciado no artigo 38.º, o presente decreto-lei produz efeitos a partir do ano letivo de:

– 2018/2019, no que respeita aos 1.º, 5.º, 7.º e 10.º anos de escolaridade;

– 2019/2020, no que respeita aos 2.º, 6.º, 8.º e 11.º anos de escolaridade;

– 2020/2021, no que respeita aos 3.º, 9.º e 12.º anos de escolaridade;

– 2021/2022, no que respeita ao 4.º ano de escolaridade.

As turmas das escolas que já se encontram no Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular (PAFC) dão continuidade para o ano de escolaridade seguinte.

IV – A organização do funcionamento das disciplinas, numa lógica trimestral ou semestral, ou outra organização dos currículos (artigo 19º), deve ser alvo de reflexão. Deve haver abertura a novas formas de integração e articulação curricular, por forma a assegurar a qualidade do ensino nas escolas, das aprendizagens dos alunos e reduzir os níveis de ansiedade e de depressão e a síndrome de Burnout na classe docente.

V- A gestão do currículo e a planificação da prática letiva de História e Geografia de Portugal (HGP), do 2º ciclo do ensino básico, deve ser concretizada de forma conjunta, com professores das duas áreas do saber (Geografia e História), numa abordagem transdisciplinar vertical e horizontal das competências, no 2.º ciclo do ensino básico, tão importantes para o conhecimento do território nacional. Pretende-se favorecer uma gestão do currículo numa lógica de sequencialidade, atendendo à existência dos agrupamentos e minimizar situações de formação deficitária ao nível do conhecimento geográfico do território nacional.

É de congratular a promoção da autonomia necessária e extensível a todas as escolas, para que estas possam vir a enquadrar as aprendizagens a contextos específicos e às necessidades dos alunos, numa perspetiva inter e transdisciplinar, e de forma a dotar os jovens de um conjunto de competências que lhes permitam dar resposta aos novos desafios da sociedade globalizada.

Congratula-se, ainda, a necessidade de mudança de paradigma, conforme se encontra explanada no decreto-lei. No entanto, para que esta se possa efetivar, o professor deve ter no seu horário, quer as horas em que leciona a sua disciplina isoladamente quer em flexibilização curricular, através de projeto, com outras disciplinas, devendo selecionar as competências mais adequadas ao trabalho disciplinar e as que se podem desenvolver melhor em contexto de projeto. É necessário que no horário de cada professor esteja contemplado o tempo destinado à implementação e concretização dos princípios orientadores (artigo 4.º). A concretização de estratégias e de experiências educativas que potenciem as aprendizagens significativas requerem tempo de discussão, reflexão e conceção. Este tempo não deve constituir um “peso” no horário do professor, sob risco de comprometer a inspiração e criatividade enquanto pilares do trabalho de projeto.

9 de Julho de 2018

A Direção da APG

Caro(a) Sócio(a)

A Associação de Professores de Geografia agradece a todos os sócios os votos de confiança na reeleição desta direção e congratula todos os vossos esforços em prole da disciplina de Geografia e, em particular, do ensino da Geografia dentro e fora da sala de aula.

 Deixamos aqui alguns documentos de atualização científica e estatística com excelentes recursos gráficos e cartográficos para as aulas de Geografia:

 

Não deixe de consultar o moodle da APROFGEO, nomeadamente, na categoria de Material Didático http://www.cfpor.pt/moodle30/course/index.php?categoryid=2

Geografia A – Exame Nacional 2018

À semelhança dos anos letivos anteriores, a Associação de Professores de Geografia, irá redigir um parecer sobre as provas de exame final nacional do ensino secundário de Geografia A. Para tal, conta com a colaboração e olhar atento dos professores de Geografia e associados que nos fazem chegar as respetivas apreciações.

Não obstante, a prova realizada, no passado dia 21 de junho de 2018, merece-nos desde já a seguinte apreciação:

  1. Embora globalmente acessível, alguns itens de seleção (resposta múltipla) e construção (resposta aberta), exigem elevada concentração na interpretação do tronco e das respetivas opções de resposta, no caso particular dos itens da primeira tipologia, e de um uso proficiente da língua portuguesa (o que merece a nossa concordância).
  2. Os documentos introdutórios assentam em fontes documentais credíveis e são, na generalidade, diversificados e de boa qualidade gráfica, propiciando a aplicação das destrezas gráficas e cartográficas exigíveis a alunos de Geografia.
  3. O tempo disponível para a sua resolução é suficiente, , pese embora uma divulgação prévia da alteração de estrutura da prova pudesse, eventualmente, ser favorável a alunos que apresentam dificuldades em termos de gestão de tempo.
  4. Os itens em avaliação constituem uma amostra significativa de objetivos e temas do Programa. Considera-se que os conteúdos abordados, revestidos de atualidade e pertinência e que carecem de reflexão pela sociedade em geral (incêndios florestais, gentrificação, plataformas digitais, ...), foram repartidos de forma similar entre os dois anos de escolaridade.

Congratula-se a existência de itens que implicam a mobilização de competências nas áreas do raciocínio e do pensamento crítico, em detrimento de itens que sobrevalorizem a memorização, e o estímulo a práticas pedagógicas centradas na resolução de problemas.

Contudo, já fizemos seguir para o IAVE a nossa preocupação em relação a dois aspetos na redação dos Critérios de Classificação (CC) que merecem, desde já, uma atenção especial face ao trabalho dos professores classificadores, nomeadamente:

a) Página 2 - "Nos itens de resposta curta,  são atribuídas pontuações às respostas total ou parcialmente corretas, de acordo com os critérios específicos." Considera-se que a redação desta orientação irá gerar a expetativa nos professores classificadores de que nos itens de resposta curta (6., 8.1 e 15.1) também há níveis de desempenho e, consequentemente, respetiva valoração de respostas parcialmente corretas e/ou incompletas, quando, segundo os CC, apenas é atribuída a cotação de 6 pontos e não estão contemplados os parcialmente corretos.

b) Pagina 7 - "Tópicos de resposta: – Estratégia A – o desenvolvimento da fileira associada à extração dos minerais metálicos: aposta na indústria extrativa, associada aos recursos endógenos, para exportar matéria-prima, como o volfrâmio ou o cobre, e para aumentar o emprego na região;"

Como a região a ser considerada pelos alunos é o Alentejo, indicar o volfrâmio como primeiro exemplo não nos parece o mais correto, uma vez que não existem estudos que demonstrem a viabilidade económica da exploração deste mineral metálico.

Por fim, refira-se que o parecer final deverá contemplar a necessidade de na informação-prova ser divulgada uma eventual alteração em relação à estrutura, à tipologia e ao valor dos itens, bem como a necessidade de rever a listagem de noções básicas/conceitos existente no programa de Geografia A, que, em nosso entender, além de excessiva, está desatualizada.

A Direção

Relatório Prova de Aferição HGP – IAVE

HGP_RelatorioIAVE_PA_2016-2017

Após uma breve leitura dos resultados da prova de Aferição e de HGP existem dois aspetos ligados ao ensino-aprendizagem da Geografia que sobressaem e nos devem preocupar:

A. É fundamental distinguir localização e localizar. Em Geografia localização é um conceito  (que até pode ser memorizado, como é caso de Portugal no contexto da Europa se situar no extremo sudoeste) e localizar é procedimento metodológico (que implica saber determinar a posição relativa ou exata de um país ou outro elemento num determinado espaço, usando um sistema de coordenadas ou a rosa-dos-ventos). Acredito que a grande maioria dos alunos sabe onde está Portugal num mapa da Europa (talvez até desde o pré-escolar) mas tem dificuldade em localizar Portugal, num mapa, em relação a outro país pois nem sempre a mobilização deste procedimento metodológico (aplicado com outros contextos espaciais, mais próximos da realidade do aluno e adaptados à sua idade, como a posição dos alunos dentro de uma sala de aula ou os vários espaços da escola/casa), é treinado com os alunos antes do 7º ano de escolaridade.

B. É necessário um maior investimento nos conteúdos e metodologias relacionados com a lateralidade e a espacialidade (1º Ciclo);

C. É imprescindível desenvolver competências de interpretação de mapas com a distribuição de fenómenos geográficos (mas também históricos,…) (2º Ciclo).

Trabalhar com mapas é essencial. E atualmente é muito fácil disponibilizar mapas de localização. Bom seria também que em cada sala de aula estivesse um computador e um projector para que, a qualquer momento, e sempre que é preciso, localizar um acontecimento histórico ou um fenómeno geográfico o professor ilustrasse com o Google Earth ou o Open Street Map, por exemplo ….Também pedir aos alunos para pintar mapas é um excelente exercício…e trabalho colaborativo entre os professores de Geografia e os professores de História nesta disciplina de História e Geografia de Portugal.

A propósito da implementação do projeto da Flexibilização Curricular

Face a dúvidas que nos têm sido colocadas nas escolas que estão na Flexibilização Curricular sobre a carga horária da Geografia a Associação de Professores de Geografia esclarece a sua posição.

O professor de Geografia tem de ter no seu horário, quer as horas em que leciona a disciplina isoladamente quer em flexibilização, através de projeto, com outras disciplinas, devendo escolher as competências (conceitos e metodologias) mais adequadas ao trabalho disciplinar e as que se podem desenvolver melhor em contexto de projeto.

Parte dessas horas pode ser depois lecionada em projeto e em conjunto com outras disciplinas, no caso da flexibilização curricular.

A flexibilização curricular nunca deve implicar, em nosso entender, flexibilização do horário letivo do professor mas sim flexibilização na forma como as competências enunciadas nas aprendizagens essenciais são desenvolvidas. Implica também que o professor de Geografia esteja envolvido no(s) projetos que a escola decidiu que iriam preencher os 25% e que devem ser sempre multidisciplinares.

Mais uma vez reafirmamos:  A flexibilização curricular, em nosso entender, não é para tirar horas a umas disciplinas e dar a outras, ao arbítrio de cada escola.

A Direção

Posição conjunta relativa ao despacho 5908/2017, das Associações de Professores de Geografia e de História

Após a publicação do despacho nº 5908/2017, ambas as associações elaboraram uma carta conjunta dirigida ao Sr. Secretário de Estado da Educação João Miguel Marques da Costa, expondo algumas dúvidas e reflexões. Na sequência desta fomos recebidos pelo Sr. Secretário de Estado.

Nessa carta começávamos por saudar a promoção da autonomia necessária para que as escolas possam vir a enquadrar as aprendizagens numa perspetiva multidimensional, de forma a preparar os jovens para os desafios que se lhes colocam, tal como vem enunciado no Perfil do Aluno para o Século XXI.

Abraçámos este projeto visto termos considerado que o mesmo fazia todo o sentido numa escola que se pretende inclusiva, criativa e adaptada às novas realidades sociais, económicas e culturais. Colocámos todo o nosso empenho na elaboração das aprendizagens essenciais (AE), exortámos os nossos associados a participarem no processo, tendo tido em linha de conta as suas contribuições. Posteriormente, as AE foram sendo reelaboradas e revistas num processo interativo com a DGE. Concordámos, desde o início, com a sua elaboração, visto que considerávamos que os documentos curriculares existentes se encontravam ultrapassados e pouco adaptados à realidade escolar atual.  Assim, concordamos com o disposto no Artigo 2º, alínea c), onde as AE de cada área disciplinar e disciplina constituem as orientações curriculares de base na planificação, realização e avaliação do ensino e da aprendizagem.

Saudamos também o Artigo 5º, muito preciso relativamente à utilidade das matrizes anexas ao despacho. Nessas matrizes pode-se ler claramente que, no 3º ciclo, a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento pertence à área das Ciências Sociais e Humanas, sendo aquela, obrigatoriamente, coordenada/lecionada pelas disciplinas de História e de Geografia. Estas disciplinas são as que se encontram mais bem colocadas para estabelecerem pontes entre as aprendizagens de Cidadania e Desenvolvimento e todas as restantes disciplinas, abrindo-se assim espaço para, ao abrigo da flexibilização curricular, haver momentos em que estejam presentes professores coadjuvantes de outras áreas, privilegiando-se assim o trabalho de projeto na disciplina em causa.

Na reunião acima mencionada, o Sr. Secretário de Estado referiu que esta nova disciplina deveria, de facto, ser prioritariamente lecionada por professores de História ou Geografia. Afirmou ainda que esta disciplina teria, apenas, 25 minutos semanais de lecionação, não retirando assim qualquer tempo letivo à Geografia e à História, mantendo-se na realidade a mesma carga horária semanal disciplina de HGP.

Face ao exposto consideramos que não existe qualquer razão para a diminuição da carga horária semanal e consequentemente dos tempos letivos das disciplinas mencionadas anteriormente. Neste sentido recomendamos:

– 2º Ciclo – 3 tempos letivos cada, para o 5º e 6º Ano;

– 3º ciclo – 6 tempos letivos cada para o 7º Ano, a dividir equitativamente pela Geografia e pela História; 5 tempos letivos cada para o 8º e 5 tempos letivos cada para o 9º Ano, a distribuir também de forma equitativa, pelas duas disciplinas, nos dois anos (3+2 ou 2+3).

Reafirmamos o nosso pleno acordo relativamente às metodologias e possibilidades de desenvolvimento de trabalho interdisciplinar explanados no despacho. As duas associações que representam os professores de História e de Geografia encontram-se, no momento, a trabalhar na elaboração de propostas de projetos interdisciplinares, de acordo com o explanado no artigo 13º. Neste sentido juntamos três propostas de projetos interdisciplinares passiveis de ser aplicados ao longo de toda a escolaridade obrigatória.

Agradecemos a todas os colegas que se encontram em escolas com flexibilização curricular que nos façam chegar a planificação das AE quer ao nível da disciplina quer nos projetos de interdisciplinares.

Atenciosamente,

Os presidentes e vice-presidentes da APG e da APH,

Emília Sande Lemos

Miguel Monteiro de Barros

Ana Cristina Câmara

Marta Frade Torres

 

 

Nota: A APH e a APG pediram entretanto ao Sr. Secretário de Estado, João Miguel Marques da Costa, e na sequência da audiência que nos concedeu dia 17 de julho, onde nos foi confirmado que o tempo máximo semanal estipulado para a lecionação da nova disciplina de Cidadania e Desenvolvimento é de vinte e cinco minutos, que se proceda a uma retificação do despacho 5908/2017, colocando-se aí, de forma explícita, essa informação, de forma a não dar origem a interpretações menos corretas por parte das escolas, nomeadamente retirando tempos de lecionação à disciplina de HGP ou de História.

[1] A principal diferença que se verifica na matriz do Despacho n.º 5908/2017 é a transferência, para o 7º Ano, dos 250 minutos de lecionação anteriormente previstos para o 9º Ano.