Arquivo mensal: Novembro 2018

PROVA DE AFERIÇÃO DE GEOGRAFIA – 8º ANO

Informação-Prova Aferição 8.º ano de escolaridade (87)

A Associação de Professores de Geografia saúda a divulgação da Informação-Prova, em particular relativa à prova de aferição de História e Geografia – 8.º ano de escolaridade (87), bem como a intenção de estar presente a visão integradora dos diferentes domínios/temas, de modo a privilegiar uma perspetiva articulada dos saberes disciplinares.

No entanto, lamentamos que a Informação-Prova de Aferição de História e Geografia do 8.º ano não seja totalmente clara quanto aos conceitos que vão ser objeto de avaliação, pois não explicita as Aprendizagens Essenciais enquanto denominador curricular comum, tal como é enunciado na Informação-Prova Geral (2018/2019).

Com efeito, a Associação de Professores de Geografia considera que este documento deveria integrar os conceitos presentes nas Aprendizagens Essenciais, enquanto denominador curricular comum, entre os vários documentos curriculares em vigor (Aprendizagens Essenciais, Metas Curriculares e Orientações Curriculares). Reforça-se que este propósito sempre foi defendido publicamente por:

– existirem alunos no 8.° ano de escolaridade que estiveram envolvidos no Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular (PAFC) e que no 7.° ano trabalharam apenas as Aprendizagens Essenciais em articulação com o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória (indo ao encontro do que é pedido na Carta de Solicitação n.º 1/2018);

– se tratar de um documento curricular atualizado e aceite consensualmente pelos professores de Geografia.

Na Informação-Prova das Provas de Aferição 2018 existe uma hiperligação, para a página da DGE onde, no caso da disciplina de Geografia, constam três documentos curriculares, com paradigmas de ensino antagónicas e que exigem métodos de ensino e aprendizagem, em contexto de sala de aula, muito diferentes – situação que gera confusão nos professores, alunos e encarregados de educação, face aos conceitos a avaliar.

Neste sentido, era importante que o IAVE, I.P. esclarecesse de forma clara e explícita a comunidade educativa que, apesar de a maioria das escolas terem produzido planificações com base nas Metas Curriculares enquanto documento de referência, nestas provas de aferição, os conceitos das Aprendizagens Essenciais constituirão o denominador comum entre os vários documentos de referência em vigor.

Considera-se, ainda, que atendendo à especificidade da disciplina, a régua deve integrar o material a ser requerido ao aluno.

Por último, acreditamos que o IAVE, I.P. e as suas equipas terão em consideração que, face à data em que irá ser realizada a prova, os conceitos relativos ao tema das Atividades Económicas estejam de acordo com o trabalho nas escolas e sua respetiva planificação. Neste sentido, recomendamos que os conceitos a ser objeto de avaliação não vão para além da exploração do sector primário do tema relativo às Atividades Económicas.
A Direção